quinta-feira, 8 de agosto de 2013

Um pouco sobre a certificação LPI - Linux Professional Institute

Em muitas áreas do conhecimento humano é comum que uma pessoa necessite de uma licença para poder trabalhar na área em questão. Essa licença é conquistada mediante algum tipo de prova administrada por um órgão independente. Isso ocorre na área médica com o CRM (Conselho Regional de Medicina) e o COREN (Conselho Regional de Enfermagem), na área de engenharia com o CREA (Conselho Regional de Engenharia e Agronomia) e na área de direito com a OAB (Ordem dos Advogados do Brasil). Nestas e outras profissões não basta tirar o diploma universitário. É necessário também ter a licença.

Na área de informática não há uma entidade que cuida desse tipo de licença. Qualquer um pode se apresentar como analista de sistemas. Qualquer faculdade de fundo de quintal pode formar um profissional de informática sem que um órgão independente possa averiguar se o profissional realmente está capacitado. Tenho visto muitos "analistas" formados sem o menor preparo. 

Para amenizar essa situação algumas empresas começaram a oferecer certificações na área de informática. Mediante uma ou mais provas, o candidato pode provar que realmente conhece uma determinada tecnologia, conceito ou ferramenta. A Microsoft oferece vários níveis de MCP (Microsoft Certified Professional), enquanto a Cisco tem a CCNA (Cisco Certified Netword Administrator) e suas variantes. Outras certificações muito procuradas são a PMI (Project Manager Institute), COBIT (Control Objectives for Information and related Technology) e ITIL (Information Technology Infrastructure Library). No mundo Linux, as mais procuradas são RHCSA (Red Hat Certified System Adminstrator) e suas variantes, Certified Linux Administrator for SUSE Linux Enterprise, e a LPI (Linux Professional Institute), esta última concedida por um orgão independente e alvo desse meu post.

A certificação LPI comprova o conhecimento na administração de um sistema operacional Linux independente da distribuição, pois se baseia na linha de comandos. Assim como as demais certificações, ela possui vários níveis e tem validade de 5 anos. Abaixo uma descrição bem resumida do conhecimento que o profissional precisa ter em cada nível.

1-Linux Essentials
  • Conceitos básicos de processos, programas e os  componentes de um sistema operacional;
  • Conhecimento básico de hardware de computador;
  • Conhecimento de aplicações de código aberto no local de trabalho e como elas se relacionam com seus equivalentes de código fechado;
  • Conhecimento em sistemas de navegação em um desktop Linux e aonde ir para obter ajuda;
  • Habilidade rudimentar para trabalhar na linha de comandos e com arquivos;
  • Conhecer um editor básico de linha de comandos;


LPIC-1
  • Trabalhar confortavelmente na linha de comandos do Linux;
  • Executar tarefas de manutenção;
  • Administração de usuários e grupos;
  • Executar backup e restauração do sistema;
  • Conhecimento do processo de boot e shutdown;
  • Instalar e configurar uma estação de trabalho (incluindo X) e conectá-lo a uma rede local e à Internet;


LPIC-2
  • Administração de uma rede;
  • Capacidade de planejar, implementar, manter, e solucionar problemas em redes mistas (MS, Linux), incluindo:
    •    Servidor de rede (Samba);
    •    Internet Gateway (firewall, proxy, e-mail, notícias);
    •    Internet Server (servidor web, servidor de FTP);
  • Orientar a gestão e compra de equipamentos;
  • Automatizar tarefas rotineiras;

 
LPIC-3
  • Ter experiência em integração de diversas tecnologias e sistemas operacionais;
  • Conhecimento avançado em  administração Linux, incluindo a instalação, gestão, segurança, solução de problemas e manutenção;
  • Ser capaz de utilizar ferramentas de código aberto para medir a capacidade e o uso dos sistemas, e para solucionar problemas de recursos;
  • Ter experiência profissional em LDAP para integração com serviços Unix e serviços do Windows, incluindo o Samba, PAM, NSS, Active Directory;
  • Ser capaz de planejar, construir e implementar um ambiente completo usando Samba3, Samba4 e LDAP;
  • Ser capaz criar scripts em Bash ou Perl ou ter conhecimento de pelo menos uma linguagem de programação do sistema (como C);
  • Ser capaz de trabalhar como um consultor para a alta gerência.

A Essentials não é necessária para as demais certificações, mas para conseguir uma LPIC-2 é necessário antes ter a LPIC-1. Da mesma forma, é necessário ter a LPIC-2 para poder concorrer a LPIUC-3.

O primeiro passo para obter a certificação é se cadastrar no site www.lpi.org. Assim você obterá um ID único. Esse ID deverá ser passado para a instituição que aplicará a prova. O conteúdo das provas pode ser consultado no site da LPI, sendo dividido em tópicos e objetivos. Cada objetivo tem um peso que pode variar de 1 até 7. Quanto maior o peso maior a importância do objetivo e também refletem no número de perguntas que cairão na prova. Por exemplo, um objetivo com peso 6 será abordado em 6 perguntas na prova.

As provas são realizadas em centros autorizados e podem ser digitais ou em papel. As digitais oferecem o resultado na hora. As provas são feitas em sala pequenas (do tipo 2m x 2m) e fechadas para as quais não se pode levar bolsas, celulares e outros aparelhos eletrônicos. Em todo o momento da prova você é filmado e fotografado. Precisa estar claro que você não possui nenhum recurso extra (por isso é aconselhável que você entre na sala sem blusas, capuz, boné, etc). É permitido apenas uma caneta e uma folha de rascunho que são fornecidos pela instituição, e estes não poderão ser levados pelo candidato. Um termo de confidencialidade deve ser assinado antes da prova para que as questões não sejam divulgadas. Você tem 90 minutos para responder a 60 questões. O resultado varia de 200 a 800 pontos, sendo que para passar você precisa somar 500.

As perguntas geralmente são de múltipla escolha, com apenas uma reposta correta. Mas podem cair perguntas de múltipla escolha com várias corretas. Também há perguntas cujas respostas devem ser escritas. As perguntas podem ser referentes a um conceito, um comando, um programa, um parâmetro de um comando, a localização de um arquivo, uma opção de um arquivo de configuração, ou sobre o formato de um arquivo. Abaixo dou alguns exemplo de perguntas que podem cair.

Ex1: Qual o comando usado para listar os processos do sistema?
a) ps
b) ls
c) dd
d) cp
e) lp
R: a

Ex2: Quais comandos podem ser usados para listar os usuários do sistema? (Escolha dois)
a) cat /etc/passwd
b) getent passwd
c) listusers
d) userlist
e) findusers
R: a,b

Ex3: Quantos hosts cabem na rede 192.168.1.0/25? (Escreva o valor na forma numérica)
R: 126

Ex4: Onde são armazenadas as senhas dos usuários em um sistema que usa senhas shadow?
a) /etc/passwd
b) /etc/shadow
c) /etc/security/passwd
d) /etc/security/shadow
e) Nenhuma das anteriores
R: b

Ex5: O que faz o parâmetro "browseable = yes" do arquivo smb.conf?
a) O compartilhamento é visível na rede.
b) O compartilhamento pode ser acessado por um navegador como se fosse uma página web.
c) Faz o servidor Samba ser o Master Brownser da rede.
d) Essa opção não existe no Samba e causará um erro na execução.
e) Essa opção não existe no Samba, mas NÃO causará erros na execução.
R: a

Ex6: O que o sexto campo do arquivo /etc/passwd contém?
a) A senha do usuário, ou "x" para senhas shadow
b) O uid do usuário.
c) O gid do usuário.
d) Um comentário, geralmente  o nome completo do usuário.
e) O diretório home do usuário.
R: e

Para quem quer tirar uma certificação LPI eu sugiro seguir algumas dicas:
  • Trabalhe com Linux por pelos menos 2 anos. De preferência, use o Linux como seu desktop padrão. Se você tentar tirar uma certificação LPI simplesmente por tirar é bem provável que não consiga;
  • Tente substituir todos os serviços oferecidos em tua rede por um software que rode em Linux. Ainda que a substituição não ocorra efetivamente, você ganhará experiência;
  • Esqueça o ambiente gráfico. Configure tudo pela linha de comandos;
  • Instale uma distribuição bem diferente daquela que costuma usar. Se você usa Red Hat ou derivados, experimente o Debian, ou Slackware. Eu errei algumas questões na prova referentes ao dpkg porque estava acostumado com Debian, e não com Red Hat;
  • Evite usar o "tab" na linha de comando. "Tab" completa um comando ou nome de arquivo. Por exemplo, para abrir o arquivo  /boot/grub/grub.cfg, basta digitar "vi /boot/grub/grub" e teclar "TAB" que o terminal completa o nome do arquivo. Apesar de ser de grande ajuda, na prova você pode ficar com dúvida se o arquivo é /boot/grub/grub.cfg ou /boot/grub/grub.conf;
  • Tenha um guia de estudo. Eu sugiro o "Certificação Linux LPI" da Altabook (http://santana.loja2.com.br/4248-Livros-para-Certificacao-Linux-LPI);
  • Faça alguns simulados. Eu utilizei os dos sites abaixo:

Eu possuo as seguintes certificações:
  • IPS Sourcefire
  • IPv6 Professional
  • LPIC-1
Quem quiser me contratar para ministrar aulas estou à disposição.