quinta-feira, 5 de maio de 2016

Moovida, mais uma opção de Central Multimidia

Já mostrei alguns programas que podem ser usados como Central Multimidia, como o Xbmc/Kodi e o BoxeeBox. Agora venho mostrar o Moovida.


Moovida é mais leve que os outros dois e tem uma interface mais enxuta, porém não tem tantos recursos. Mas ainda sim é um boa opção para montar a tua Central Multimidia.

O Moovida está disponível na maioria dos repositórios das distribuições. No Debian e derivados pode-se instalar via apt-get.

# apt-get install moovida

sexta-feira, 29 de abril de 2016

Kaffeine, o tocador de midias do KDE

No Linux existem vários aplicativos para ouvir música e assistir vídeos. O Kaffeine é o player padrão do ambiente KDE, mas pode ser instalado em qualquer ambiente gráfico.


O Kaffeine tem muitos recursos e é bem intuitivo. Para instalá-lo basta usar o gerenciador de pacotes da tua distribuição. Nas distros derivadas do Debian basta digitar, como root, o comando abaixo na linha de comandos.

# apt-get install kaffeine



quarta-feira, 20 de abril de 2016

Gravação de CD e DVD com K3b

Enquanto todos usavam o Nero ou CD Burn para gravar CD e DVD eu já utilizava no Linux o K3b. 


Completo e com várias módulos que podem ser adicionados (como um que torna um CD/DVD de video bootável tornando possível assistir ao video independente do sistema operacional e livre de codecs), o programa pode gravar imagens ISO para o CD/DVD e também pode criar imagens ISO, verificar o MD5, copiar CD/DVD, entre muitas outras coisas.


Para queimar um CD basta selecionar o arquvo ISO e clicar e Start. Você pode controlar a velocidade de gravação (quanto mais lento menor a chance de erro), especificar quantos CD/DVD vai gravar, pode comparar o disco gravado com a imagem ISO orginal, etc.


O K3b faz parte do KDE, mas pode ser instalado com o apt-get.

# apt-get install k3b


terça-feira, 19 de abril de 2016

Fazendo join de arquivos texto

Vamos supor que você tenha dois arquivos como os listados abaixo

$ cat nomes.txt
nome:idade:endereco
renato:41:avenida tal
ricardo:40:rua tal
rodrigo:38:alameda tal
walter:35:chacara tal

$ cat cursos.txt
curso:nome
teste:pedro
oab:renato
lpi:ricardo
fisio:rodrigo

Agora precisamos juntar esses dois arquivos linha a linha de forma que cada pessoa esteja associada com o seu curso.  O comando join faz esse trabalho.

$ join nomes.txt cursos.txt -t: -1 1 -2 2
nome:idade:endereco:curso
renato:41:avenida tal:oab
ricardo:40:rua tal:lpi
rodrigo:38:alameda tal:fisio

Neste comando:

  • "-t:" diz que o separador de coluna é o caracter ":".
  • "-1 1" diz que no primeiro arquivo (-1) deverá ser usado o primeiro campo (1) como referência.
  • "-2 2" diz que no segundo arquivo (-2) o campo referência é o segundo (2).


Reparem que só são mostrados os registros que existem nos dois arquivos. A única exigência é que os arquivos estejam indexados pelo campo referência, algo que pode ser feito com o comando sort.

terça-feira, 29 de março de 2016

Analisando o uso da memória ram com o free

Um dos motivos para a lentidão de um computador é o elevado uso de memória RAM, o que faz com que o sistema operacional use memória virtual (swap). A memória virtual é, na verdade, um arquivo em disco ou uma partição especialmente formatada para isso. Como o disco é, em média, mil vezes mais lento do que a memória RAM, quanto mais memória virtual for usada mais lento o micro fica.


Um dos comandos mais usado em ambiente Linux para verificar o uso da memória ram é o free.

$ free
                               total           used            free               shared    buffers     cached
Mem:                      8226632    7763568     463064          0             265932    4523028
-/+ buffers/cache:   2974608    5252024
Swap:                     0                0                 0

Você pode usar as opções -k (para mostrar os dados em kbytes), -m (megabytes), -g (gigabytes) ou -h (para mostrar os valores na forma "humana"). 

$ free -h
                                  total       used       free     shared    buffers     cached
Mem:                         7,8G      7,4G       434M  0B           259M       4,3G
-/+ buffers/cache:      2,8G      5,0G

Swap:                        0B         0B         0B

Reparem que eu tenho somente 434 Mb disponível. Mas 4,3 Gb estão sendo usados para cache e 259 Mb para buffer. Essas memórias podem ser liberadas caso o sistema precise. Portanto, na prática eu ainda tenho 434 Mb + 259 Mb + 4,3 Gb de memória RAM livre, ou seja, 5,1 Gb. Reparem que meu sistema nem tem memória swap configurada.


Você pode ir analisando o uso da memória a medida que uma aplicação abre. No exemplo abaixo, o parâmetros "-s 5" faz com que o free rode a cada segundo, enquanto que o "-c 5" faz o free parar depois de 5 amostras.

$ free -s 5 -c 5 -m
                                  total       used       free     shared    buffers     cached
Mem:                         8033      7602      430      0             260          4433
-/+ buffers/cache:      2909      5124
Swap:                        0            0            0

                                  total       used       free     shared    buffers     cached
Mem:                         8033      7607      426      0             260          4436
-/+ buffers/cache:      2910      5123
Swap:                        0            0            0

                                  total       used       free     shared    buffers     cached
Mem:                         8033      7624      409      0             260          4453
-/+ buffers/cache:      2910      5122
Swap:                        0            0            0

                                  total       used       free     shared    buffers     cached
Mem:                         8033     7614       419      0             260          4443
-/+ buffers/cache:      2911     5122
Swap:                        0           0             0

                                  total       used       free     shared    buffers     cached
Mem:                         8033      7612      421      0             260          4441
-/+ buffers/cache:      2911      5122
Swap:                        0            0            0

* Artigo publicado em 07/03/2014. Revisto e corrigido.

quinta-feira, 24 de março de 2016

Gerência de processos com top

Top é um programa de gerenciamento de processos mais usado no Linux. Com ele você pode ver quais processos estão rodando, quais estão consumindo mais memória e mais processamento, pode matar um processos, enfim. 

Na sua execução mais simples para chamá-lo pela linha de comandos.

$ top


Podemos notar que temos 234 processos rodando, sendo 233 em estado de sleeping. Podemos classificar a relação pelos campos %MEM precionando a tecla "M", por %CPU usando "P", etc. Tecle "?" para ter uma relação da teclas de atalho, ou use as setas "<" e ">" para ordenar pelo próximo campo. Você também pode congelar, matar e reiniciar um processo usando a tecla "K". Neste caso o top vai perguntar qual sinal você quer enviar. Por padrão será o 15 (Fechar).


É possível também filtrar o top por vários campos. No exemplo abaixo eu listo somente os processos do usuário ricardoolonca.

# top -u ricardoolonca


Ainda é possível dizer de quanto em quanto tempo a tela será atualizada e quantas ocorrências você quer mostrar. 

Conhecer o top é essencial para quem administra um sistema Linux.

quarta-feira, 23 de março de 2016

Curso Administração de Redes com Linux


Caros, 


vou ministrar um workshop baseado no meu livro na editora Novatec. Quem quiser conhecer mais sobre os fundamentos de rede e como trabalhar com rede no Linux essa é uma grande oportunidade.


Data: 14 e 15 de Maio (Sábado e domingo)

Local: Novatec (Av. Cruzeiro do Sul 2463)

Horário: 9h às 18h

Carga horária: 16 horas

Valores do investimento:

Até 04/05: R$ 550,00

Após 04/05: R$ 600,00

Material de apoio: Livro Administração de redes Linux


Sobre o curso
Esse workshop pretende mostrar os conceitos de rede, configurações e como fazer análises de desempenho e de problemas envolvendo redes usando o sistema operacional GNU/Linux. A aula será desenvolvida em forma de palestra e estudo dirigido, abordando-se a teoria e a prática. O Livro Administração de Redes com Linux servirá como guia de consulta rápida para a solução dos exercícios propostos. Aliando a parte teórica e prática dos fundamentos da rede TCP/IP usando o sistema operacional Linux. Após esse workshop, o aluno estará apto a administrar um ambiente de rede usando o Linux.
O workshop será ministrado com aulas expositivas presenciais. Cada aluno deverá ter a disposição um equipamento rodando algum software de virtualização (VirtualBox, VMWare, Hyper V, etc).
A quem se destina este curso?
Estudantes da área de rede, técnicos e analistas que possuem interesse nos fundamentos de rede em sistema operacional Linux.
Pré-requisitos
  • Conhecimentos em informática
  • Familiaridade com ambiente texto (linha de comandos)
Importante: O aluno deverá trazer seu próprio notebook e carregador.
Conteúdo do curso
1.Instalação do Linux
Configuração da interface de rede
Estatísticas da rede
2.O que é um protocolo?
As sete camadas do modelo OSI
As camadas do TCP/IP
3.Camada de rede – Como ela funciona
Diferenças entre Hub e Switch
Monitorando problemas de rede com Arpwatch
Configurando uma bridge
Duas placas de rede trabalhando juntas
4.Camada de Internet – Por que usar endereços IP?
Problemas do IPv4
Endereços privados
Máscara de sub-rede
Dificuldades para calcular sub-redes? Use IPCalc
Endereços de rede e de broadcast
Configurando a rede no Linux
Testando a conexão com ping
O básico do ping
Parâmetros úteis do comando ping
Além do ping com Fping
1000 pings por segundo com Hping3
Ip virtual
Alta disponibilidade com ucarp
Roteamento
5.Resolução de nomes
Funcionamento do DNS
Comandos úteis para a resolução de nomes
Nomes Netbios X nomes DNS
Servidor DNS
6.DHCP e seu funcionamento
Introdução ao DHCP
Funcionamento do DHCP
Instalação e configuração básica
Testes e análises
Reservando IP
Dhcrelay
7.Camada de Transporte
Conceitos
Pesquisando portas locais com netstat
Pesquisando conexões locais com ss
Pesquisando portas remotas com Nmap
Um pouco mais de Nmap
Como testar a conexão a um serviço?
Medindo a taxa de transferência com iperf
8.Firewall Iptables
Funcionamento de um firewall
Stateless x Statefull
Instalando o iptables
Liberando acessos
Especificando IP de origem e destino
Especificando o tipo de protocolo
Trabalhando com a chain FORWARD
Especificando as interfaces nas regras de firewall
Nat (Network Address Translator)
Salvando e restaurando as regras
Mais informações sobre o Iptables
9.Monitorando o uso do link
Iptraf
Darkstat
Ntop
10.Bisbilhotando a rede
Tcpdump
Wireshark
Urlsnarf
Descobrindo senhas com Tcpdump e Wireshark
Descobrindo senhas com Dsniff
11.Camada de Aplicação – Gateway
Squid
Dansguardian: Filtro de conteúdo Web dinâmico
12.Segurança
Nessus
13.Sistemas de arquivos com deduplicação
14.Sistema de arquivos distribuído
Benefícios
  • Coffee breaks
  • Internet wireless
  • Material didático (livro Administração de Redes com Linux)
  • Arquivos de códigos, imagens, scripts e solução dos exercícios
  • Certificado impresso
Mais informações no endereço abaixo.




terça-feira, 15 de março de 2016

Como saber quais programa mais utilizam o disco?

Um dos ítens que deixam o computador lento é o uso do disco, tanto escrita como leitura. Quanto mais o disco for usado mais lento ele será. Por isso que quanto mais memória virtual for usada mais lento o computador será, pois a memória virtual utiliza o disco. Mas como saber quais são os processos que mais estão usando o disco neste momento? O programa iotop foi feito para responder a essa pergunta. Ele mostra de uma forma simples quais os processos que mais estão escrevendo no disco ou lendo dados dele.

Primeiramente é necessário instalá-lo.

# apt-get install iotop

Depois é só chamá-lo pela linha de comandos.

# iotop



No print de tela acima vemos que o sistema está com uma média de 1,5Mb/s tanto de escrita quanto de leitura, um valor baixo para um servidor proxy. Reparem que o maior utilizador é o Squid.


Há algumas opções que podem ser passadas na linha de comandos como -d (de quanto em quantos segundos a tela será atualizada), -p (qual processo queremos analisar), -u (qual usuário), etc. Por exemplo, se quisermos saber os dados do usuário "proxy" com uma atualização de tela a cada 5 segundo devemos digitar:

# iotop -d 5 -u proxy

segunda-feira, 14 de março de 2016

Adeus ao email do iG

16 anos. Esse foi o tempo de uso do meu e-mail do iG. 



No ano 2000, depois do fechamento do Basemail (um serviço de e-mail só com webmail) fiz minha conta no iG. Um site revolucionário que oferecia acesso gratuíto a internet. Ainda lembro do número: 3355-1000. Isso se não quisesse usar o discador iG. Sim, discador! O acesso era via modem, com fantásticos 33kbps. Banda larga ainda não existia. Fiz minha conta de e-mail, que na época oferecia algo em torno de 25 Mb, mas quase ninguém usava e-mail ainda. Ainda não tinha Facebook, nem Orkut, Skype, Youtube. As páginas eram estáticas. Então eu o usava mais para me cadastrar em sites de notícias e mala direta. Alguns ainda existem.

Pois bem, alguns anos depois surge o Gmail com fantásticos 1Gb de espaço, fora os outros serviços que foram surgindo aos poucos. Criei uma conta, mas mantive o iG por causa dos poucos contatos que tinha e dos vários serviços de notícias. E agora, 16 anos depois, o iG vai passar a cobrar pelo serviço. Mas quem vai querer pagar pelo e-mail do iG quando existe Gmail?  Uma pena! Já migrei meus serviços mais importantes para minha conta do Gmail. E os spans... bem, podem ficar no iG, mesmo. 

É o fim de uma era!

Boa sorte ao iG!

sexta-feira, 11 de março de 2016

Listando as redes wireless pela linha de comando

É possível listar as rede wireless disponíveis pela linha de comandos do Linux. A primeira coisa a fazer é instalar o pacote wireless-tools.

# apt-get install wireless-tools

Após suba a interface de rede wireless, geralmente a wlan0.

# ifconfig wlan0 up

Agora rode o comando que vai listar todas as redes sem fio detectadas, bem como suas configurações de criptografia, canal, ESSID, qualidade de sinal, etc.

# iwlist scan
lo        Interface doesn't support scanning.

eth0      Interface doesn't support scanning.

wlan0     Scan completed :
          Cell 01 - Address: F0:7F:06:C4:45:50
                    Channel:1
                    Frequency:2.412 GHz (Channel 1)
                    Quality=34/70  Signal level=-76 dBm
                    Encryption key:off
                    ESSID:"Visitantes"
                    Bit Rates:1 Mb/s; 2 Mb/s; 5.5 Mb/s; 6 Mb/s; 9 Mb/s
                              11 Mb/s; 12 Mb/s; 18 Mb/s
                    Bit Rates:24 Mb/s; 36 Mb/s; 48 Mb/s; 54 Mb/s
                    Mode:Master
                    Extra:tsf=000000010e227721
                    Extra: Last beacon: 1064ms ago
                    IE: Unknown: 000E4650412D5669736974616E746573
                    IE: Unknown: 010882848B0C12961824
                    IE: Unknown: 030101
                    IE: Unknown: 0706425220010B1E
                    IE: Unknown: 0B050F00908D5B
                    IE: Unknown: 2A0100
                    IE: Unknown: 2D1AAC111BFFFF000000000000000000000000000000000000000000
                    IE: Unknown: 32043048606C
                    IE: Unknown: 3D1601000700000000000000000000000000000000000000
                    IE: Unknown: 7F06001000000040
                    IE: Unknown: 9606004096001600
                    IE: Unknown: DD180050F2020101800003A4000027A4000042435E0062322F00
                    IE: Unknown: DD06004096010104
                    IE: Unknown: DD050040960305
                    IE: Unknown: DD050040960B09
                    IE: Unknown: DD050040961400
          Cell 02 - Address: F0:7F:06:C4:45:51
                    Channel:1
                    Frequency:2.412 GHz (Channel 1)
                    Quality=29/70  Signal level=-81 dBm
                    Encryption key:off
                    ESSID:"CORP"
                    Bit Rates:1 Mb/s; 2 Mb/s; 5.5 Mb/s; 6 Mb/s; 9 Mb/s
                              11 Mb/s; 12 Mb/s; 18 Mb/s
                    Bit Rates:24 Mb/s; 36 Mb/s; 48 Mb/s; 54 Mb/s
                    Mode:Master
                    Extra:tsf=000000010e2272da
                    Extra: Last beacon: 1016ms ago
                    IE: Unknown: 0003465041
                    IE: Unknown: 010882848B0C12961824
                    IE: Unknown: 030101
                    IE: Unknown: 0706425220010B1E
                    IE: Unknown: 0B050F00908D5B
                    IE: Unknown: 2A0100
                    IE: Unknown: 2D1AAC111BFFFF000000000000000000000000000000000000000000
                    IE: Unknown: 32043048606C
                    IE: Unknown: 3D1601000700000000000000000000000000000000000000
                    IE: Unknown: 7F06001000000040
                    IE: Unknown: 9606004096001600
                    IE: Unknown: DD180050F2020101800003A4000027A4000042435E0062322F00
                    IE: Unknown: DD06004096010104
                    IE: Unknown: DD050040960305
                    IE: Unknown: DD050040960B09
                    IE: Unknown: DD050040961400
          Cell 03 - Address: B0:48:7A:C6:96:C2
                    Channel:4
                    Frequency:2.427 GHz (Channel 4)
                    Quality=60/70  Signal level=-50 dBm
                    Encryption key:on
                    ESSID:"AP01"
                    Bit Rates:1 Mb/s; 2 Mb/s; 5.5 Mb/s; 11 Mb/s; 6 Mb/s
                              9 Mb/s; 12 Mb/s; 18 Mb/s
                    Bit Rates:24 Mb/s; 36 Mb/s; 48 Mb/s; 54 Mb/s
                    Mode:Master
                    Extra:tsf=00000018886b9d80
                    Extra: Last beacon: 752ms ago
                    IE: Unknown: 00084650412D41503031
                    IE: Unknown: 010882848B960C121824
                    IE: Unknown: 030104
                    IE: IEEE 802.11i/WPA2 Version 1
                        Group Cipher : CCMP
                        Pairwise Ciphers (1) : CCMP
                        Authentication Suites (1) : PSK
                    IE: Unknown: 2A0100
                    IE: Unknown: 32043048606C
                    IE: Unknown: DD180050F2020101860003A4000027A4000042435E0062322F00
                    IE: Unknown: DD1E00904C334E111BFF00000000000000000000000000000000000000000000
                    IE: Unknown: 2D1A4E111BFF00000000000000000000000000000000000000000000
                    IE: Unknown: DD1A00904C34040D0A00000000000000000000000000000000000000
                    IE: Unknown: 3D16040D0A00000000000000000000000000000000000000
                    IE: Unknown: DD0900037F01010000FF7F
                    IE: Unknown: DD0A00037F04010000004000
                    IE: Unknown: DD870050F204104A0001101044000102103B0001031047001000000000000010000000B0487AC696C21021000754502D4C494E4B10230009544C2D57523734304E10240007312E302F322E3010420003312E301054000800060050F20400011011001B526F746561646F7220576972656C65737320544C2D57523734304E100800020086103C000101

sit0      Interface doesn't support scanning.

Como podemos ver, as interfaces lo, eth0 e sit0 não são suportadas pois não são interfaces de rede sem fio.

A interface wlan0 encontrou 3 redes sem fio (linha ESSID): Visitantes, CORP e AP01. Esse comando também mostraria as redes ocultas, que não possuem ESSID. Podemos ver também o canal (Channel) em que cada rede está trabalhando (as duas primeiras usam o canal 1 enquando a última usa o canal 4) , a qualidade do sinal (Quality) mostrando que provavelmente o ponto de acesso mais próximo de mim é o AP01.  Quanto maior o valor melhor a qualidade do sinal. O comando ainda mostra informações sobre o endereço físico dos access points, velocidades permitidas e tipos de criptografia suportados, entre outros.

Apesar de existirem várias ferramentas gráficas para fazer essa pesquisa, inclusive para smartphone, conhecimento é sempre bemvindo.

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2016

Multitarefa sem ambiente gráfico

Muita gente não sabe, mas é possível trabalhar com várias tarefas ao mesmo tempo no Linux sem usar o ambiente gráfico. Vou mostrar neste pequeno artigo como trabalhar com várias aplicações diferentes ao mesmo tempo, no modo texto, e como alternar entre elas.

Como exemplo, vamos abrir um editor de texto qualquer.

$ vi teste1.txt


Agora tecle CTRL + Z.


Reparem que o serviço foi parado. Ele ainda está na memória, mas está congelado, conforme podemos ver com o comando ps.


Reparem no número entre []. Esse é o número da tarefa que colocamos em segundo plano. Vamos iniciar uma segunda tarefa em segundo plano. Para isso, usamos "&" no final do comando.


Para vermos quais tarefas estão rodando em segundo plano usamos o comando "jobs".

$ jobs


Para alterarmos entre as tarefas, basta usar o comando "fg" seguido do número da tarefa. Podemos também mandar executar uma tarefa que já está em segundo plano com o comando "bg". Por exemplo, para fazer um download, podemos chamar o comando "links" para navegar através do site e começar o download. Após, tecle "CTRL + Z". A tarefa vai ser congelada. Execute então "bg" e a tarefa vai continuar em segundo plano. Para voltarmos ao "links" basta digitar "fg" seguido do número da tarefa.

Uso isso quando vou conectar máquinas via vnc. Após a conexão, digito "CTRL + Z" no terminal e depois "bg", liberando o terminal para outras tarefas.

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2016

Autenticação simples no proxy Squid

Há inúmeras formas de fazer proxy autenticado com o Squid. Vou mostrar a mais simples que conheço. Considero que você já tem o Squid instalado. Se não tiver e precisar de ajuda veja no link abaixo o artigo que escrevi no site da Linux Magazine.


Pois bem, o primeiro passo é instalar o programa que vai administrar os usuários e senha. Esse programa server para criar usuários e senhas para os mais variados sistemas, não só o Squid.

# apt-get install apache2-utils

Agora precisamos criar o arquivo de senha.

# htdigest /etc/squid3/passwd "Ricardo Lino Olonca" ricardo
Adding user ricardo in realm Ricardo Lino Olonca
New password:
Re-type new password:

Digite e confirme a senha.

Explicando o comando:


  • htdigest = Programa.
  • /etc/squid3/passwd = Arquivo de senha.
  • "Ricardo Lino Olonca" = Qualquer comentário sobre o usuário.
  • ricardo = login.

Agora abra o arquivo de configuração do Squid.

# vi /etc/squid3/squid.conf

Adicione as seguintes abaixo.

auth_param digest program /usr/lib/squid3/digest_file_auth -c /etc/squid3/passwd

Essa linha diz que a autenticação será do modo digest, usando o programa digest_file_auth. O arquivo de senha é o passwd.

auth_param digest realm Login

O texto "Login" vai aparecer na tela de autenticação

auth_param digest children 50

O número de processos de autenticação

acl usuarios_autenticados proxy_auth REQUIRED

Aqui informamos que a ACL chamada usuarios_autenticados é requerida

http_access allow usuarios_autenticados

Aqui permitimos os usuários autenticados

http_access deny all

Bloqueamos os demais usuários.

Esse é só um exemplo de configuração. Há muitas outras formas de autenticação, como NTLM, Samba, Kerberos, etc.


sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

Site cria distribuição personalizada baseada em Slackware

No site http://build.porteus.org você pode personalizar uma distribuição Linux baseada em Slackware apenas escolhendo algumas opções, como plataforma (32bits ou 64bits), tipo de boot (gráfico ou texto), ambiente gráfico (KDE, Mate, Xfce), entre outras.


Após escolher as opções e aguardar um pouco o site gera um link para você baixar o arquivo iso. Abaixo mostro um print com a minha distribuição criada pelo site. 


terça-feira, 26 de janeiro de 2016

Monitorando o tráfego de rede com Iptraf

O Iptraf é uma ferramenta simples, mas que pode fazer uma análise em tempo real do que está trafegando na rede. Ele pode monitorar cada interface separadamente, ou fazer uma análise considerando todas as placas de rede.


Ele pode monitorar as conexões...


...comparar o tráfego entre as interfaces de rede...


...mostrar em detalhes o desempenho de uma interface específica...


..comparar o tráfego por portas tcp/udp...


Nestes prints de tela eu usei um servidor que faz a função de gateway da rede, e um link de Internet de 100mbps. Pode-se notar o volume de 38mbps entrando pelo link. Ou seja, ainda tenho espaço para crescer. 

O Iptraf funciona através de menus. Por isso, não é necessário fornecer qualquer parâmetro de linha de comando. Para instalar o Iptraf, basta digitar:

# apt-get install iptraf

* Artigo publicado em 27/04/2012, atualizado e corrigido.

quinta-feira, 21 de janeiro de 2016

Evento Gratuíto - Curso Básico de IPv6 - Ênfase em Serviços (Curso Presencial)

Esta turma é voltada ao pessoal técnico e gestores de TI de empresas usuárias e que oferecem conteúdos e serviços na Internet. Incluem-se portais de conteúdo, comércio eletrônico, empresas de mídia, empresas com sites institucionais, universidades, órgãos do governo, etc. 

Carga horária: 32h
Horário: das 9h as 18h
Local: O NIC.br reserva-se o direito de divulgar o local do evento apenas para os que tiverem a matrícula aprovada.

ATENÇÃO: A inscrição não garante sua participação. Todas as inscrições serão analisadas e posteriormente será enviado por e-mail a confirmação se a matrícula foi ou não aprovada.

Gostaríamos de lembrá-lo dos pré-requisitos para participação no evento que são: 

- É "essencial" a realização prévia do curso “Introdução ao IPv6” (e-learning) do projeto IPv6.br que está disponível no link: http://www.ipv6.br/curso 
- Bons conhecimentos teóricos e práticos sobre redes IPv4.
- Ter noções de protocolos de roteamento.
- Os participantes deverão trazer notebooks (com qualquer sistema operacional) para acesso aos laboratórios.

É importante notar que:

- Será dada preferência a instituições que não participaram do curso anteriormente.
- Serão aceitas no máximo duas inscrições por instituição.
- Desistências deverão ser avisadas com pelo menos 5 dias de antecedência, sob pena da inscrição ser recusada em turmas futuras.
- Os inscritos devem ser pessoas chave em suas organizações, diretamente envolvidos com a implantação do IPv6 e que sejam capazes de multiplicar o conhecimento internamente.

NOTEBOOKS
É imprescindível que o aluno leve em todos os dias do curso um notebook e que este tenha os seguintes programas instalados:
- VirtualBox (a partir da versão 4.1.10)
- Fazer o download da imagem da Máquina Virtual no endereço:

WIRELESS: Teremos acesso via Wireless à Internet, entretanto não forneceremos a placa para acesso, favor portarem equipamentos apropriados. 

Local São Paulo / SP
Início 01/02/2016
Fim 04/02/2016
Disponibilidade 45 

terça-feira, 19 de janeiro de 2016

Futurologia

Como todo começo de ano, faço aqui as minhas previsões baseadas em notícias, artigos e matérias que li na internet, revistas, jornais, etc.


Para este ano
Cada vez mais as pessoas e empresas vão colocar seus dados na nuvem, como o Google Drive, Amazon, Dropbox, Mega, etc. Com o aumento da banda larga no país vai ser cada vez mais utilizado o armazenamento em nuvem, com smartphones sincronizando videos e imagens. A noção de "espaço em disco no hd" vai começar a desaparecer, bem como o uso de pendrives. E o fim das transmissões analógicas de TV no Brasil vai passar quase desbercebido nas grandes capitais, mas em lugares remotos isso vai causar uma dor de cabeça.



Em 1 ano
A realidade aumentada será usada em larga escala, principalmente para jogos e GPS. Com o aumento das redes 4G, a maioria dos aplicativos rodarão na nuvem. O uso de drones será normatizado e empresas o utilizarão para fazerem pequenas entregas.



Em dois anos
O Linux será o principal sistema operacional do mundo, principalmente por causa dos servidores e do Android, e 80% das empresas terão o Windows 10 em seus desktops. A velocidade média da banda larga no Brasil deve atingir 25Mb (ah, eu já tenho 35Mb!). A China deverá ser a maior potência econômica do mundo (vamos aprender mandarim, pessoal!).



Em cinco anos
Começa a funcionar a rede 5G e 86% da população da américa latina usará a rede 3G/4G. Com isso, será possível que sistemas ligados ao corpo monitorem pacientes enviando os dados coletados direto para seus médicos. Esse será o princípio prático da Internet das Coisas (IoT). E como o IPv4 deverá acabar na África, começarão a aparecer as redes exclusivamente IPv6. Além disso uma rede de satélites deverá disponibilizar internet para todo o mundo. A internet passará a ser algo onipresente, assim como a luz elétrica é hoje.  O suporte ao Windows 7 chegará ao fim, mas isso não será um problema pois a maioria das pessoas já utilizarão o Windows 10 (ou quem sabe o Linux). A energia solar deverá ser usada em larga escala. Carros autônomos não serão mais novidade.


Em 10 anos
Teremos óculos com realidade aumentada e projeções na própria lente. Imaginem andar na rua e ter na própria lente informações sobre o trânsito, previsão do tempo, cotações do dólar e da bolsa e até video-conferência. Ainda mais sabendo que esses óculos poderão ser controlados pela mente. Em casa, a internet poderá chegar a 500Mbps. A rede mundial deverá ter em torno de 1 trilhão de dispositivos, inclusive nossos robôs que farão as tarefas domésticas. Poderemos controlá-los do trabalho, ou até mesmo dos nossos óculos com acesso 4G. Viagens longas serão feitas com carros autônomos e jatos comerciais supersônicos voltarão a ser usados. A primeira tripulação da Mars One deverá chegar em Marte. Porém, problemas existirão, como falta de águas potável para 2/3 da população mundial (vamos aproveitar prá comprar um terreno lá pro lado da amazônia antes que fique mais caro!). E o petróleo estará em colapso. Pois é, o combustível não é eterno, e previsões dizem que em 10 anos começará a ficar mais raro. Por que o Brasil não aproveita e investe no álcool agora?


Em 20 anos
Os computadores terão velocidades de Thz e serão controlados por comandos de voz e pela mente. Será possível fazer backup da mente na nuvem. Todas as pessoas do mundo estarão conectadas na internet de alguma forma.  As casas terão vários monitores nas paredes, inclusive em lugar das janelas, onde poderão mostrar fotos, videos e imagens online de várias partes do mundo. Faremos pequenos exames ao usar o banheiro e escovar os dentes. Viajens aéreas serão feitas sem piloto. A forma de pagamento será totalmente digital, quase não existirá papel moeda. O etanol será mais usado no Brasil do que gasolina. Com 8 bilhões de habitantes, o mundo vai ter um defict de água, alimentos e energia, e a China será a maior economia do mundo. Teremos ciborgues andando pelas ruas, e a vacina a AIDS já terá sido descoberta. Na astronomia, para facilitar as viagens para Marte será construída uma vila no espaço, uma espécie de parada para descanso. 


Em 50 anos
O Bug do Timestamp poderá causar vários problemas em sistemas. A rede 6G deverá entrar em produção. Os lares terão link de 5Gb e computadores com velocidade de Phz. Serão criados computadores que pensam como humanos. Com 10 bilhões de habitantes, o mundo estará estabilizado, com a Índia sendo o país mais populoso. Será possível fazer escolhas genéticas, bem como ressussitar pessoas que foram congeladas por criogenia. Teremos prédios com mais de 1km de altura e Marte terá uma base militar. 


Em 100 anos
O mundo deve ficar 6,4ºC mais quente do que em 2000. Com isso, boa parte das geleiras vão derreter fazendo o nível do mar subir cerca de 1 metro se comparado com 2000. Algumas cidades litorâneas serão afetadas.